Jamesons

– O maior site especializado em Marvel do Brasil

Dúvida que todos os leitores tinham sobre a ressurreição dos mutantes é esclarecida

Desde que a Marvel estabeleceu um protocolo democrático e organizado de ressureição para os mutantes na nação Krakoa, há uma dúvida que permeia as discussões entre os fãs. Mas antes disso, se você não sabe que protocolo de ressureição é esse, clique aqui.

Antes de prosseguir, é importante destacar que esse texto conta com spoilers de Novos Mutantes #14, revista ainda inédita no Brasil e que conta com roteiro de Vita Ayala (Shuri) e arte de Rod Reis (Soldado Invernal). Siga a leitura por sua conta em risco.

Agora todos os mutantes são, em tese, eternos. Digo que são em tese pois a saga X of Swords apresentou uma pequena brecha nesse protocolo (clique aqui para entender melhor). Mas de um modo geral, não é possível matar mais um mutante, ele sempre retorna.

Porém, o processo de ressureição envolve um procedimento que é basicamente clonagem. Se você analisar a situação de maneira fria, os mutantes que retornam à vida são clones. Pelo menos seus corpos são. E isso começou a levantar uma dúvida: o que acontece então se um personagem que já era um clone morrer?

Essa reflexão quase filosófica possui alguns agravantes. Alguns dos clones mais populares dos X-Men não estão em Krakoa, sinal de que seguem mortos. São eles Joseph (clone do Magneto) e Genesis (clone do Apocalipse). Apesar de existirem milhares de mutantes ainda para serem ressuscitados, uma fila de espera de quase 10 anos, esses personagens nunca nem mais foram citados.

Mas o principal agravante envolve Madelyne Pryor, a clone de Jean Grey. Ela ressurgiu viva em Satânicos #1 e morreu na quarta edição. No mesmo capítulo o Conselho de Krakoa decidiu que não iriam submeter ela ao processo de ressureição. Ela morreu e seguiria morta para sempre, no que depender de Krakoa.

Madelyne teve uma vida triste, cheia de traumas psicológicos e manipulações. Ela é uma perigosa e sádica vilã. O Ciclope, seu ex-marido, ao comunicar a decisão do Conselho ao seu irmão, falou: “Existem protocolos. Ela era um clone. O Conselho não quer …

Destrutor interrompeu o irmão aos choros, falando “Ela era uma pessoa de verdade, Scott. Ela existia.”. A situação causou aos leitores a interpretação de que um clone não é privado da vida, porém se ele morre, não tem direito a passar pelos protocolos de ressureição.

Acontece que a Marvel publicou ontem a revista Novos Mutantes #14 e nela nós tivemos a Gabby, clone da Wolverine (ex-X-23), fazendo aos mutantes mais velhos esse mesmo questionamento. E antes que você fale: “nossa, um clone da clone?” Saiba que a X-23 não é um clone do Wolverine. Se ficou curioso, clique aqui para saber mais detalhes.

Pois bem, os Novos Mutantes mais velhos estavam ensinando a gurizada a batalhar e usar os seus poderes de maneira combinada. Até que a Gabby questionou sobre o perigo disso, se não haveriam riscos.

A Lupina imediatamente respondeu que essa era uma ótima pergunta, mas que ela não precisava se preocupar com isso. Os protocolos de ressureição, nesse sentido, permite que os mutantes explorem mais quem eles são tanto quando indivíduos quanto como um povo.

Mas Gabby ainda insatisfeita com a resposta retrucou: “Mas o que acontece se alguém como eu morrer?“. Novamente Lupina foi ágil na resposta, afirmando que ela seria ressuscitada. Mas foi aí que a Gabby fez o papel dos leitores e questionou justamente aquilo que se debate nos grupos de discussão.

Então como é que Evan (Genesis) ainda não ressuscitou? Ou Madelyne Pryor? Ouvi o Destrutor dizer que não a trariam de volta porque ela era um clone. Por que isso importaria?

Magia de bate pronto responde: “Isso não deveria importar“, com uma cara de quem foi pega numa hipocrisia dos mutantes. O jovem mutante Ícaro tentou argumentar que isso talvez se deva pela Madelyne ter machucado muitas as pessoas.

Novamente fazendo o papel do leitor, a Gaby retruca falando que muitos mutantes em Krakoa já machucaram pessoas. E até argumenta inclusive que o Sr. Sinistro (que é um dos mais perigosos vilões dos X-Men), hoje faz parte do Conselho que comanda Krakoa.

Magia então resolve por panos quentes na conversa, que já estava ganhando contortos sérios demais: “Vou te falar o que disse a Havok. Madelyne era ativamente nociva para humanos e mutantes. Não existem muitas leis, mas ela quebrou a que tínhamos. E ei, Evan ainda pode estar na fila de ressurreição, ok?

Gabby ainda assim não está satisfeita com as respostas (e nem os leitores), mas é o que temos até o momento. E já é mais do que tínhamos até ontem. A Lei de Krakoa que a Magia se referiu é a que mutantes podem matar outros mutantes (afinal eles sempre voltam), mas não podem matar humanos. E apesar de ser bem crível que a Madelyne possa ter matado alguém, isso não foi mostrado nas HQs.

Mas e então, caro leitor, feliz de saber que os clones que tanto amamos na franquia X-Men não correm mais risco de vida? E o que você pensa sobre toda essa situação? Deixe a sua opinião nos comentários.

error

Espera aí meu jovem, já vai embora? Esperamos que você tenha gostado do conteúdo do site. Mas não esquece de nos seguir nas redes sociais abaixo para curtir mais material sobre a Marvel :D