Jamesons

– O maior site especializado em Marvel do Brasil

Panini esclarece uso de expressão transfóbica em HQ do Homem-Aranha

Em 2020 a Panini começou a publicar aqui no Brasil uma nova coleção chamada Marvel Saga, republicando runs aclamados dos principais heróis da editora. A primeira fase a ganhar destaque na coleção foi o Espetacular Homem-Aranha de J. Michael Straczynski, publicada originalmente nos Estados Unidos entre 2001 e 2007.

Mas logo no final do primeiro volume dessa coleção, os fãs foram surpreendidos por uma tradução bastante equivocada. Após derrotar o vilão Morlun com muito sufoco, o Homem-Aranha sai comemorando pelas ruas de NY.

A alegria de vencer o inimigo foi tanta que Peter Parker começou a ver a beleza das coisas simples da vida. Ele falou exatamente o seguinte: “A padaria é bela, o lixo é belo e as prostitutas são belas. Quer dizer … mais ou menos. Aquilo é um traveco?“.

A expressão equivocada em questão é “traveco“, que é uma forma pejorativa, historicamente ofensiva, de se referir a mulheres trans e travestis. É uma ofensa transfóbica, pois agride e desumaniza pessoas trans, além de tratá-las no masculino. Mulheres trans e travestis são identidades de gênero femininas.

A utilização da expressão é algo que merece ser apontado e questionado pois no original a Marvel usou “guy” (cara), a Panini utilizou por conta própria a expressão transfóbica. Confira:

É importante frisar também que a história original publicada pela Marvel em 2001 já era transfóbica, mesmo sem o termo “traveco”. Essa tradução incorreta apenas tornou tudo ainda pior. Pois o Homem-Aranha se refere a travestis como “aquilo” e fica subentendido que tudo na cidade é belo, menos as travestis.

A piada original coloca mulheres trans em uma posição de estarem “tentando enganar” as outras pessoas, como se estivessem “fingindo ser algo que não são” (no caso, mulheres. E elas são, de fato, mulheres.).

Veja bem, se a Panini não tivesse usado a palavra traveco, a história ainda seria problemática, mas a Panini nada teria a ver com isso. Ela teria apenas traduzido a história, não cabe a ela alterar o roteiro de uma HQ licenciada pela Marvel aqui no Brasil. Mas ao inserir a expressão “traveco” na trama, a editora se usou de uma expressão transfóbica.

Nós do Jamesons entramos em contato com a editora Panini para tentar entender o que aconteceu nessa situação, por qual motivo uma revista da Marvel foi traduzida com uma expressão transfóbica em pleno ano de 2020. A editora explicou que a HQ foi publicada e traduzida originalmente em 2002 e que o encadernado da Marvel Saga apenas republicou o mesmo material.

E aqui tem dois pontos a serem observados. O primeiro é que de fato, em 2002 não se havia uma discussão tão ampla sobre identidade de gênero, principalmente englobando a comunidade trans, como se tem hoje em dia. Já era ofensivo, mas a expressão “traveco” infelizmente estava muito mais normalizada e pouco problematizada do que se comparado aos dias atuais.

Mas o segundo ponto é que uma vez que no material original não constava a expressão “traveco“, mas sim “cara“, era responsabilidade da Panini ter identificado isso em uma revisão antes de republicar o material em encadernado. Em 2020 o termo salta aos olhos e é bem problemático.

Em nota a Panini se comprometeu a ficar mais atenta a essas “questões de gênero, bem como todas as causas que norteiam a nossa sociedade“. Também foi prometido que quando a revista for reimpressa, já estará corrigida essa tradução.

Confira na integra a declaração oficial da Panini:

A Panini Brasil esclarece que as histórias presentes na primeira edição da Marvel Saga do Espetacular Homem-Aranha, publicada em 2020, foram originalmente publicadas e traduzidas em 2002.

Entendemos a necessidade de revisar as novas publicações, considerando a legitimidade das questões de gênero, bem como todas as causas que norteiam a nossa sociedade, por esse motivo estamos investindo na atualização e letramento de todos os editores e tradutores, com objetivo de eliminar o uso de termos incorretos

Ressaltamos que o fato em questão não corresponde à política de marca da editora e, por ele, pedimos desculpas a todos os leitores e fãs dos quadrinhos. Repudiamos qualquer tipo de preconceito e informamos, por fim, que caso o material seja reimpresso, será feita uma readequação da frase.

Segunda vez:

Essa não é a primeira vez que uma uma tradução antiga contendo expressões preconceituosas é republicada pela Panini. Recentemente na 11° edição da coleção A Espada Selvagem do Conan, a editora usou a frase “Agora por Crom… esses macacos vão sentir o gosto do aço!” onde deveria constar “Agora por Crom… vamos ver se não igualamos as coisas”. Confira abaixo:

O erro dessa vez é mais gritante por foi usada uma tradução muito antiga da editora Abril, que era famosa por alterar os roteiros e artes das HQs. E dessa vez a alteração foi racista pois colocou Conan chamando homens negros de macacos. Novamente isso não foi observado na revisão do material.

As duas situações ocorreram em revistas publicadas em 2020. E para 2021 a editora se comprometeu a ficar atenta a essas questões.

Mas e então, caro leitor, o que você achou dessa situação? Também estranhou ao ler a expressão “traveco” no gibi do Aranha? Deixe a sua opinião nos comentários.

error

Espera aí meu jovem, já vai embora? Esperamos que você tenha gostado do conteúdo do site. Mas não esquece de nos seguir nas redes sociais abaixo para curtir mais material sobre a Marvel :D