Jamesons

– O maior site especializado em Marvel do Brasil

Clássico inimigo do Homem-Aranha consegue erguer o Mjölnir

Mjölnir, o martelo do Thor, é uma das armas mais emblemáticas do Universo Marvel. Apesar de ser extremamente poderoso, apenas um seleto grupo de pessoas conseguem erguê-lo: aqueles que são dignos. Entre alguns heróis que já manusearam o Mjölnir estão: Thor, Bill Raio Beta, Jane Foster, Capitão América e Pantera Negra, por exemplo.

Mas na última edição da saga do Rei das Trevas descobrimos que mais um personagem também é digno. Antes de prosseguir com a leitura, lembramos que esse texto conta com spoilers do final da saga, então leia por sua conta em risco.

Pois bem, desde que o escritor Donny Cates (Thor) e o desenhista Ryan Stegman (Wolverine) assumiram a revista do Venom, lá em 2018, ele tem posto Eddie Brock numa jornada de redenção. Ele quer fazer o bem e ajudar as pessoas. Ele já vinha por esse caminho desde que se curou de um câncer causado pelo simbionte, alguns anos atrás. Recentemente ele também descobriu que tinha um filho, o que lhe deu mais um motivo para lutar por um mundo melhor.

Em paralelo a isso, descobrimos a existência de Knull, o Deus dos Simbiontes. Uma entidade que está presa há anos luz da Terra, mas que foi se fortalecendo e pretende vir ao nosso planeta. Mas enquanto ele não chega, Eddie, vestindo o simbionte, ajudou os heróis da Terra a salvarem o planeta algumas vezes e até recusou um convite para se juntar aos Vingadores.

Logo que começou a saga do Rei das Trevas, Brock foi morto por Knull logo que ele chegou ao planeta. O Deus dos Simbiontes infestou o globo com simbiontes, tomou conta de tudo. E mesmo com todos os heróis reunidos, não estavam dando conta de tantos inimigos.

Mas mesmo após a sua morte, Eddie não morreu de verdade. Todas as pessoas que já se conectaram com um simbionte possuem um codex em seus corpos, um pequeno fragmento que armazena o DNA e memória do hospedeiro e ao mesmo tempo se conecta com a mente colmeia dos simbiontes.

Então mesmo quando seu corpo físico morreu, Eddie acabou sobrevivendo nessa mente de colmeia e com ajuda de Flash Thompson (que também estava morto e já tinha sido hospedeiro do Venom), consegue se conectar através da colmeia com o simbionte Venom e recuperar o seu corpo.

Em paralelo, por toda a sua luta contra Knull, Eddie também foi escolhido para ser o hospedeiro da Força-Enigma, se tornando o Capitão Universo. Uma revelação da saga é que o Capitão Universo antagoniza com Knull, por representar o poder do Deus da Luz, enquanto a divindade simbionte é o Deus da Escuridão.

Mas mesmo a forma de Capitão Universo não parece ser suficiente para derrotar Knull, então Eddie invoca dois dos armamentos mais poderosos do universo: Mjölnir e a Prancha do Surfista Prateado (que o próprio Surfista havia transformado em uma espada). Ele usa a Força-Enigma para forjar uma espécie de machado cósmico que usa para eliminar de vez Knull.

Com a batalha vencida, o Mjölnir volta para Thor, a Prancha para o Surfista e os Simbiontes que sempre estiveram presos a Knull através da mente de colmeia, pela primeira vez estão livres. Sendo assim, Venom agora é o novo Deus dos Simbiontes.

O escritor Donny Cates tem ainda uma última história do Venom para contar, onde ele deve explorar o que significa ser um Deus dos Simbiontes e repercutir os impactos da morte de Knull. Isso sairá em Venom #200, a despedida do autor da revista. A HQ sairá nos EUA nas próximas semanas.

Mas e então, caro leitor, o que achou da novidade? Gostou da saga do Rei das Trevas? E tem curtido a jornada de redenção de Eddie Brock? Deixe a sua opinião nos comentários.

error

Espera aí meu jovem, já vai embora? Esperamos que você tenha gostado do conteúdo do site. Mas não esquece de nos seguir nas redes sociais abaixo para curtir mais material sobre a Marvel :D