Jamesons

– O maior site especializado em Marvel do Brasil

Entenda o parentesco dos Eternos com o Thanos

O vilão Thanos ficou mundialmente famoso após antagonizar com os Vingadores nos dois mega-filmes “Vingadores: Guerra Infinita” e “Vingadores: Ultimato”. Porém, as duas produções pouco se aprofundaram na origem do vilão. E nesse texto nós vamos explicar qual é a relação do Titã Louco com os Eternos, que serão o próximo grupo a ganhar filme no MCU.

Lembrando, claro, que esse texto vai explicar o parentesco do Thanos com os Eternos nos quadrinhos. No cinema nós ainda não sabemos como isso será desenvolvido.

Há 1 milhão de anos atrás os Celestiais, entidades gigantes e mega-poderosas, vieram para a Terra e realizaram experimentos em primatas, dando origem a três ramificações evolutivas: Homo sapiens (os humanos), Homo descendus (os Deviantes) e Homo immortalis (os Eternos).

Foram criados 100 Eternos. Eles são altamente evoluídos, poderosos e receberam três missões na Terra: 1 – Proteger os Celestiais. 2 – Proteger a Máquina. 3 – Manter o equilíbrio da Terra.

Os Eternos foram liderados por Cronos e se isolaram, afim de não interferir em importantes eventos na evolução da espécie humana. E vale destacar que eles, apesar de serem eternos, ainda podem morrer. Explico: assim que morrem eles são ressuscitados pela Máquina. Dessa forma não chegam a realmente morrer.

A Máquina é um equipamento de tecnologia extremamente avançada dos Celestiais que serve de QG/moradia dos Eternos.

Primeira Guerra Civil

Apesar disso tudo, cerca de 600 mil anos atrás os Eternos passaram pela sua primeira Guerra Civil. Cronos liderava os Eternos e defendia que a espécie deveria se manter neutra nos eventos terrestres. Porém, Uranos, outro Eterno, defendia que seu povo deveria conquistar o planeta.

A vertente de Cronos saiu vitoriosa e os Uranianos (apoiadores de Uranos) foram exilados da Terra. Eles acabaram criando uma base no planeta Urano e depois em Titã, na lua satélite de Saturno.

Segunda Guerra Civil

É importante explicar que os Eternos não se reproduzem. Originalmente eles eram em 100. Porém mesmo que um Eterno tenha filho com uma humana, a criança poderá ter poderes, viverá mais do que um humano normal, mas não será um Eterno. Ele não terá conexão com a Máquina. E proteger a Máquina é um dos princípios fundamentais de um Eterno.

Sendo assim, as estruturas familiares dos Eternos são um conceito diferente dos humanos. Existem pais, filhos e irmãos, mas não são descendentes diretos, não há um vinculo biológico, são apenas designações dentro das “famílias”.

E esse foi o epicentro da segunda Guerra Civil dos Eternos, que ocorreu cerca de 200 mil anos atrás. O Eterno A’Lars liderou uma facção que defendia que os Eternos deveriam tentar expandir a Máquina. No caso, eles deveriam descobrir uma maneira de se reproduzir entre si e gerar novos Eternos.

Por sua vez, o Eterno chamado Zuras defendia o status quo vigente. Que as coisas não fossem alteradas. Os Eternos devem proteger a Máquina e uma vez que os filhos dos Eternos não tem conexão com ela, isso não é possível.

A’Lars pensava que os Eternos por anos excluíram aqueles que agiram de modo errado. Alguns Uranianos, por exemplo, foram excluídos da Máquina. Foram aprisionados para sempre dentro dela e não podem mais protegê-la. Os 100 Eternos não são mais 100. Então criar novos Eternos poderia suprir essa carência.

A discussão alçou reflexões filosófica, pois os Eternos chegaram a consultar os Celestiais sobre se eles poderiam se reproduzir, mas não obtiveram respostas. Os Zuranianos entendem que como ao natural são incapazes de criar Eternos que se conectem com a Máquina, então esse é o desejo dos Celestiais. Já a ala A’Larista pensa que a não resposta é um sinal verde e que entender isso como um não é uma tentativa de tentar interpretar os pensamentos dos Deuses.

Mais Eternos poderiam ajudar a proteger ainda mais a Máquina. O que é bom. Mas os experimentos poderiam por em risco a Máquina, o que é ruim.

Abaixo transcrevo um trecho do debate de ideias entre os Zuranianos e A’Laristas, que foi mostrado em Eternos: A Ascensão de Thanos, revista publicada em 2021 com roteiro de Kieron Gillen (X-Men) e arte de Dustin Weaver (Vingadores).

Zuranianos: Eternos existem em estruturas familiares eternas. Nós temos famílias, pais, filhos e relacionamentos forjados na nossa própria natureza. A ideia de que nos falta algo é impossível.

A’Laristas: Mas a criação de novos laços familiares não altera a Máquina, só adiciona a ela. E o que você disse não é verdade: há Eternos sem famílias, portanto, sem nenhuma dessas estruturas familiares. Eles não têm família, apenas amigos.

Zuranianos: A amizade entre Eternos é mais poderosa do que um vínculo familiar mortal. A amizade perdura por mais tempo e dessa forma acumula significado.

A’Laristas: Não é assim que o amor funciona. Você argumenta que o menor dos sentimentos dos Eternos é mais importante do que qualquer paixão humana, simplesmente porque perdura por mais tempo.

Por fim, a discussão foi encerrada por Daina, esposa de Cronos. Ela avaliou que um confronto entre A’Lars e Zuras teria a seguinte consequência: A’Lars perderia a guerra e danificaria a Máquina. Já Zuras teria sucesso e os Eternos rebeldes seriam excluídos, o que também prejudicaria a Máquina.

Dessa forma a sua decisão foi a seguinte: os Eternos terão as memórias desse confronto apagados pela Máquina, para eliminar qualquer sentimento negativo que ficou. A’Lars será exilado para realizar os seus experimentos e descobrir sozinho se há uma forma dos Eternos gerarem uma linhagem.

Em Titã, a Lua de Saturno, A’Lars, agora se chamando Mentor, encontrou a uraniana Sui-San. Eles passaram a viver juntos e com tecnologia Eterna criaram um paraíso em Titã. O local passou a ser povoado por clones, aliens e tudo o mais.

Apaixonados, Mentor e Sui-San se casaram e tentaram criar a nova linhagem de Eterno de maneira biológica tradicional. O resultado, no entanto, não foi o que mentor esperava. Nasceu o Thanos. Uma criança que já no nascimento apresentava um visual monstruoso e completamente diferente de qualquer outro humano ou Eterno.

A Thanos foi atribuída a “síndrome de Deviante“, uma mutação que lhe deu os genes deviantes. Ele cresceu como uma criança problemática, sempre causando terror e provocando mortes. Sua mãe chegou a enlouquecer por ter gerado uma criatura como ele. E Thanos, por sua vez, matou a mãe ainda na juventude.

Mas Mentor e Sui-San chegaram a ter outro filho: Eros. Ele não nasceu com a síndrome, mas também não possui conexão com a Máquina. Então nem Eros e nem Thanos são Eternos de fato.

Mentor também acabou sendo morto por Thanos e assim como sua esposa, ressuscitou na Terra através da Máquina. Mas o casal acabou sendo Excluído e vivem ate hoje presos dentro da Máquina, na Terra.

Mas e então, caro leitor, o que achou da história? Um pouco complexa, não é mesmo? Thanos é um descendente direto de uma facção dissidente dos Eternos da Terra. Seu pai era tão Eterno quanto Ikaris, Makkari, Thena e todos os demais Eternos que tanto conhecemos.

Eternos são um personagens criados por Jack Kirby.

Você sabia disso tudo? O texto lhe foi útil e esclareceu alguns pontos? Então deixe a sua opinião nos comentários. Aproveita e nos segue também no Instagram e no Twitter. Até a próxima.

error

Espera aí meu jovem, já vai embora? Esperamos que você tenha gostado do conteúdo do site. Mas não esquece de nos seguir nas redes sociais abaixo para curtir mais material sobre a Marvel :D