Jamesons

– O maior site especializado em Marvel do Brasil

10 grandes quadrinistas da Marvel que fazem parte da comunidade LGBT

Junho é uma data muito importante para a comunidade LGBT, pois no mundo todo é celebrado o Mês do Orgulho. Por tanto, ao longo dos próximos 29 dias vamos estar trazendo uma série de matérias, listas e postagens especiais dedicada a essa celebração.

A maioria dos nossos textos vão girar em torno da Marvel e seus personagens, mas decidimos começar diferente. Vamos falar sobre os criadores, as pessoas que produzem as HQs que tanto adoramos. Felizmente, já vivemos em uma época onde escritores e desenhistas LGBTs não são mais uma raridade no mercado.

Esse texto também não busca listar todos os quadrinistas, vamos nos focar naqueles que são os mais marcantes para nós. Mas se você achar que algum outro nome deveria ser lembrado, deixe nos comentários. É sempre bom difundir o máximo possível o nome dos bons profissionais.

10 grandes quadrinistas LGBTs

1 – Olivier Coipel

Coipel é um desenhista negro, gay, de origem francesa (mas você frequentemente o encontrará pelas praias do Rio de Janeiro se procurar bem) e com 51 anos. Foi o responsável por algumas das grandes sagas da história recente da Marvel, como a reformulação do visual do Thor, que inspirou o design do seu primeiro filme, a saga Dinastia M, da qual WandaVision se inspirou levemente (bem de leve mesmo) e a saga Aranhaverso, que serviu de material base para o longa animado da Sony que venceu o Oscar.

Durante a sua reformulação do Thor, Coipel também foi o responsável por apresentar Lady Loki, versão femina do Deus da Trapaça. E recentemente, para o especial Marvel Voices: Pride, HQ dedicada a celebrar o Mês do Orgulho LGBT, produziu uma capa variante (que você pode ver acima) que conquistou imediatamente os fãs.

Já faz alguns anos que Coipel não trabalha regularmente na Marvel. Ele produz esporadicamente projetos especiais. Atualmente ele é o capista da HQ do Thor.

2 – Jan Bazaldua

Janeth é uma mulher trans natural do México e que se assumiu como transgênero em outubro de 2020 nas suas redes sociais. Em uma thread no Twitter ela postou: “Olá, sou Janeth Bazaldua, talvez você me conheça por outro nome e outra aparência, mas esta que você vê é quem eu sempre fui dentro de mim, meu eu de verdade, escondido por muitos anos, devido à insegurança, mas principalmente devido ao medo.

A desenhista diz ainda em seu relato que chorou muito até se aceitar, buscou por uma cura, mas que desde criança essa sempre foi quem ela é de verdade. Felizmente ela foi amplamente acolhida pela comunidade dos quadrinhos, diversos roteiristas, desenhistas e coloristas lhe mandaram mensagens de apoio.

Jan está trabalhando atualmente na Marvel, já desenhou HQs como Miles Morales, Sr. e Sra. X, X-Force, Loki e agora em junho estará apresentando, ao lado do escritor Josh Trujillo (Rick e Morty), uma versão gay de um novo herói que se inspira no Capitão América.

3 – Marte Gracia

Marte é um dos principais coloristas do atual mercado de quadrinhos, tem um contrato de exclusividade com a Marvel e nos últimos anos tem se concentrado em algumas das principais histórias dos X-Men. Gracia é homossexual, mexicano, tem cerca de 41 anos e em 2020 trabalhou na saga Impéryo, que na sua conclusão contou com o primeiro casamento gay entre heróis da Marvel.

Na época ele usou as suas redes sociais para prestar um forte depoimento a respeito disso. Marte falou que cresceu em uma família religiosa, frequentou uma escola católica e sempre precisou fingir ser uma pessoa que não era: “Quando criança, todos sabiam que eu era gay, tinha modos efeminados e não fazia as coisas normais que as pessoas esperavam, fui repreendido várias vezes pela maneira como me expressava ou me comportava.

O colorista disse que encontrou nos quadrinhos um refúgio para todo esse sofrimento, mas destacou que a falta de heróis gays e mexicanos era algo que lhe incomodava. Por isso que, para ele, ter trabalhado em Impéryo foi tão importante. “Quando abri esta página [com o casamento gay], tive que sentar e ficar olhando para ela por um longo tempo, para ver meu casal gay favorito como os personagens centrais do evento principal deste ano, sendo cercados e apoiados por outros personagens importantes, isso foi poderoso“, apontou Gracia.

Gracia concluiu falando que “Representatividade nos quadrinhos é muito importante. Os quadrinhos são um reflexo de seu próprio contexto histórico e é hora de mostrar em suas páginas um reflexo das pessoas que os lêem, das pessoas que os fazem“.

Marte Gracia carrega no seu currículos trabalhos como Dinastia X, Potencias de X, Impéryo, ESPADA, Coração de Ferro, X-Men e outras HQs.

4 – Phil Jimenez

Jimenez é um desenhista gay natural dos Estados Unidos, com um extenso e relevante currículo na DC, mas com grandes trabalhos também na Marvel. Se assumiu gay em 1992, se tornando assim uma das primeiras pessoas assumidamente gays da indústria dos quadrinhos.

Em 1998 concorreu ao GLAAD Awards, premiação que busca reconhecer e homenagear a mídia por suas representações justas, precisas e inclusivas da comunidade.

Na Marvel, Jimenez trabalhou principalmente com os X-Men de Grant Morrison e Warren Ellis, além do Homem-Aranha. Ele também está produzindo uma série de capas variantes para o especial Marvel Voices: Pride, destacando os principais heróis LGBTs da editora.

5 – Vita Ayala

Ayala é mais uma pessoa trans em uma posição de destaque no mercado. Ao contrário de Jan Bazaldua, que é uma mulher trans, Vita é uma pessoa não-binária, ou seja, utiliza o gênero neutro, por não se identificar como mulher e nem como homem.

Em entrevista ao site da Marvel, Ayala falou sobre a identificação que teve com a Mística dos quadrinhos enquanto pessoa não-binária: “A Mística era realmente importante para mim – metamorfos em geral, mas especialmente ela porque aqui está essa personagem que foi designada mulher ao nascer, mas uma vez que ela atingiu seu despertar mutante, isso não significava nada.

Ayala é afro-porto-riquenha, mas cresceu em NY. O seu currículo na Marvel conta com revistas como Morbius, Nebula, Filhos do Átomo, Prisioneiro X e Shuri. Mas o seu grande trabalho na editora é a revista que escreve atualmente, os Novos Mutantes.

Vita Ayala também estará participando do especial Marvel Voices: Pride, escrevendo uma história protagonizada pela Karma, uma clássica integrante dos Novos Mutantes e uma das primeiras personagens lésbicas da Casa das Ideias.

6 – Allan Heinberg

Allan é um roteirista homossexual que se destacou muito na Marvel no início dos anos 2000 criando a super-equipe Jovens Vingadores. O grupo era bastante diverso e contava com um casal gay: Wiccano e Hulkling. Atualmente esses dois personagens são muito populares e há quem diga que são a principal referência LGBT da editora.

Caso você esteja pensando “eu já vi essa foto aí de cima com os dois rapazes se beijando, mas não sei da onde.” Sim, é bem provável que você já tenha visto mesmo. Esse é o casal gay que o ex-Prefeito do Rio tentou censurar durante a Bienal do Livro 2019.

Heinberg possui um extenso currículo na TV e no cinema, na Marvel a sua contribuição foi “apenas” os Jovens Vingadores mesmo. Inclusive, todos os heróis adolescentes que compõe o grupo estão pouco a pouco debutando no MCU, então é bem provável que tenhamos o primeiro casal gay de heróis da Marvel aparecendo nas telonas nos próximos anos. O Wiccano, inclusive, já estreou em WandaVision.

7 – Luciano Vecchio

Vindo para a América do Sul, temos Luciano Vecchio, um desenhista gay argentino que tem brilhado bastante na Marvel nos últimos anos. Seus principais trabalhos regulares na editora são Coração de Ferro e Campeões, mas ele também já colaborou em Vingadores e Quarteto Fantástico.

No primeiro Marvel Voices publicado pela Marvel em 2020, Luciano criou uma curta história reunindo todos os heróis da editora que fazem parte da comunidade e os colocou em uma Parada LGBT (imagem acima). E agora, em Marvel Voices: Pride, estará novamente reunindo esses personagens para uma nova história especial.

Antes de estourar na Marvel e assumir trabalhos regularmente, artes do Luciano já viralizavam na internet, como por exemplo uma ilustração em que ele reúne todos os principais heróis e heroínas gays, lésbicas, bissexuais e trans.

8 – Leah Williams

Leah Williams é uma escritora bissexual que tem crescido muito na Marvel nos últimos anos. Ela participou da saga Era do X-Man escrevendo os X-Tremistas, a minissérie dos Gigantes durante a Guerra dos Reinos, a mensal da Mary Jane e atualmente tem se destacado muito com a mensal do X-Factor. A partir de agosto ela estará comandando a minissérie O Julgamento de Magneto.

A roteirista não tem medo de explorar e desenvolver a sexualidade dos personagens nas suas HQs. A atual formação do X-Factor tem sido encarada por muitos leitores como a equipe mais LGBT que a franquia mutante já teve. Fazem parte do grupo os seguintes heróis LGBTs: Estrela Polar (gay), Daken (bissexual) e Prodígio (bissexual).

9 – Sina Grace

Em 2014 a Marvel revelou ao mundo que o Homem de Gelo é gay. Muitos ficaram surpresos, a maioria gostou e teve quem xingou. Mas a sexualidade de Bobbie Drake apenas foi desenvolvida em 2017, quando o escritor homossexual Sina Grace passou a escrever uma revista mensal do herói.

A HQ foi muito elogiada pelos fãs e contou com importantes momentos, como quando o Homem de Gelo resolveu contar para os seus pais que é gay … e não teve um retorno tão acolhedor quanto se esperaria. A revista também mostrou os personagens participando da Parada do Orgulho Mutante, uma clara referência a Parada LGBT que ocorre no mundo real (e que contou com um poderoso discurso de Kitty Pryde e Tempestade). Grace também criou a Darkveil, primeira mutante Drag Queen da Marvel.

Nós do site entrevistamos Sina Grace ano passado, o autor falou sobre as dificuldades que o preconceito coloca no caminho dos profissionais da comunidade LGBT. Foi uma das entrevistas que mais nos orgulhamos de ter feito, clique aqui para ler.

10 – Lucas Werneck

Não podíamos terminar essa lista de uma forma melhor: com a prata da casa. Lucas é brasileiro e um dos grandes nomes que tem despontado na Marvel nos últimos anos. Werneck é gay e traz no seu currículo trabalhos como: Mary Jane, Carrascos, Capitão América e X-Men. Em agosto estará lançando seu próximo trabalho, a minissérie O Julgamento de Magneto, ao lado da escritora Leah Williams.

É bem provável que você já tenha topado na internet com os redesigns dos X-Men que o brasileiro criou, por conta própria, imaginando os mutantes no MCU. Mas nas últimas semanas ele chegou até os Tranding Topics do Twitter com o traje de gala que desenhou para o Colossus usar durante o evento Hellfire Gala.

Mas e então, caro leitor, o que achou da lista? Que outros quadrinistas você também admira e acompanha? Deixe a sua opinião nos comentários.

error

Espera aí meu jovem, já vai embora? Esperamos que você tenha gostado do conteúdo do site. Mas não esquece de nos seguir nas redes sociais abaixo para curtir mais material sobre a Marvel :D