O incrível fenômeno dos leitores que não leem as revistas

O que uma pessoa precisa fazer para se tornar uma leitora de quadrinhos? Ler uma HQ, certo? Pois bem, esse conceito está prestes a mudar. Fenômenos comportamentais da internet indicam que para ser um leitor de quadrinhos, basta ler manchetes em sites de notícias. Parece besteira, né? Mas já é realidade.

No dia 27 de dezembro a Marvel publicou a edição número 14 da atual HQ do Thanos. Na revista descobrimos que originalmente o grande vilão da Marvel teria recebido o nome de Dione pela sua mãe.

O Thanos do futuro revela seu nome que sua mãe iria lhe dar. Foto: Marvel Comics.

Acontece que essa novidade não repercutiu negativamente de nenhuma forma lá no exterior. Donny Cates, recém chegado na Marvel, seguiu recebendo elogios, como de costume, nas redes sociais.

A paz durou até os dias 30 e 31 de dezembro, quando os principais portais de notícia dos Estados Unidos passaram a repercutir a novidade divulgando que o “nome verdadeirode Thanos era Dione. Chamadas como essa são “click baits“, uma vez que esse não é de fato seu nome verdadeiro, mas apenas o nome que sua mãe desejava lhe dar.

O CBR foi um dos sites que mais repercutiu a notícia como “click bait”.

Foi então que surgiu uma enxurrada de críticas ao roteirista Donny Cates, por ter alterado o nome de Thanos. Vocês conseguiram entender o que aconteceu? Os leitores que leram a revista no dia 27, quando ela foi publicada, leram a HQ, entenderam o contexto do nome Dione e não se incomodaram com isso. Já quem leu apenas as manchetes “click baits” em portais de notícia, achou que o nome do vilão havia sido alterado e foram até a internet reclamar e xingar o autor.

Um “leitor” que compartilhou uma dessas notícias no Twitter declarou que passou anos da sua vida lendo quadrinhos e que jamais cogitou o fato de Thanos não se chamar Thanos. Outro “leitor” foi no post e falou que isso era reflexo do envolvimento da Disney.

Donny Cates se deu ao trabalho de ir até esse tweet e comentou: “Dione era o nome que a sua mãe iria lhe dar. O nome que ela escolheu antes dele nascer, assim que ela o viu ficou louca e o nomeou Thanos. O nome dele ainda é Thanos.

A situação envolveu diversos autores e editores da Marvel que postaram coisas relacionadas no Twitter. O roteirista Matthew Rosenberg, por exemplo, brincou que na mini Vampira & Gambit lançada ontem nos Estados Unidos, os leitores iriam descobrir que o verdadeiro nome do Gambit era Dione. Sinal de que a reação dos “leitores” foi tão ridícula que virou piada interna.

Cates recebeu dezenas de mensagens de profissionais que trabalham na área e até de leitores e fãs dando apoio e elogiando a sua postura. Ele foi vítima do “click bait e estava prestativamente respondendo todos os leitores no Twitter, explicando a situação.

Em um tom de ironia misturado com crítica, o autor declarou o seguinte: “Cara, se eu estivesse irritado com toda essa coisa de “Thanos ganhou um nome diferente”, eu iria sair para comprar várias edições de Thanos 14 para ver do que se trata toda essa confusão. Para garantir, eu também compraria a edição 13 que está sendo reimpressa, apenas para me certificar de que eu estou zangado pela razão certa“.

A fala de Donny é bastante clara: os leitores estão lhe criticando e hateando a revista sem ler. Se forem até as bancas e comprarem o produto, vão ver que a reclamação e o ódio despejado no Twitter não tem o mínimo de fundamento.

E para ser bem sincero, com “leitores” tão tóxicos assim, em um ambiente mainstream onde qualquer decisão diferente pode gerar uma onda de ódio tão grande, quem vai querer escrever para a Marvel (e para a DC também)? Os “leitores” que não reclamem quando os autores mais audaciosos e criativos estiverem produzindo material autoral. Jonathan Hickman é um que já deixou claro que não escreve os X-Men por causa dos fãs. Tomara que Cates não seja o próximo a seguir por esse caminho.

Confira também essas novidades