A sociedade afrofuturista do Pantera Negra tem castas

Como parte da iniciativa Fresh Start, a revista mensal do Pantera Negra, escrita por Ta-Nehisi Coates foi relançada, com arte de Daniel Acuña. A HQ revista está muitíssimo distante da trama do volume anterior. O foco atual da revista é o Império Intergalático de Wakanda, cujos mistérios ainda estão longe de ser respondidos.

Na primeira edição, temos o rei T’Challa despertando num planeta localizado num local remoto do universo, um local comandado pelo império milenar de Wakanda. Há 2000 anos, Wakanda é uma potência no espaço, fruto de uma expedição de dissidentes do país africano do Universo Marvel.

Não se sabe ainda como, mas T’Challa encontra-se no Império Intergalático de Wakanda sem memória e como um escravo. Durante a edição, ele é compelido a retornar ao seu lar, representado alegoricamente por sua amada, Ororo, a X-Man Tempestade. Na prisão de Gorée, T’Challa incita uma rebelião formada por um homem só, chamando atenção dos rebeldes que vigiavam secretamente o local.

Com a ajuda dos rebeldes M’Baku e Nakia, T’Challa é recrutado pelo líder dos rebeldes, N’Yami. A ascensão do Pantera Negra para a retomada de sua identidade começa agora.

Muitos mistérios estão a frente, como, por exemplo, os motivos que levaram T’Challa chegar ao espaço. Seriam Nakia e M’Baku os personagens já há muito conhecidos da franquia do Pantera Negra? Ou seriam novas interpretações? E qual é a verdadeira origem dos wakandianos no cosmo? Respostas para depois.

Por agora, temos uma história que inova muito se comparada a todo o trabalho anterior de Coates no Pantera, sendo ousada, mas muito sólida. O afrofuturismo é muito bem representado pela arte de Daniel Acuña. E conceitos relacionados à identidade racial já se mostram metaforicamente representados pelo funcionamento da sociedade espacial, no que diz respeito às castas e à apropriação dos líderes do império. Confira abaixo quais são as castas criadas por Coates na história:

Os imperiais são a casta mais alta de wakandianos, que alegam ser descendentes de sangue dos fundadores do Império Intergalático de Wakanda. Contudo é difícil comprovar ou negar tal afirmação.

Os mineiros, ou sem-nomes, são membros do império condenados à escravidão nas minas de vibranium, sofrendo lavagem cerebral, perdendo sua memória. Nada sabem de sua história original.

Os askari são a força policial do império e os agentes do tráfico escravo wakandiano. Como casta, são odiados pelos sem-nome e denegridos pelos imperiais. Os askari são formados por muitas raças, muitas delas são raças conquistadas pelo império wakandiano.

Os rebeldes, ou maroons: apesar de os poderes do império serem enormes, há resisência. Os maroons são formados por sem-nome libertos pelo Capitão N’Yami da Nave Mackandal.

Pantera Negra #1 contou com roteiro de Ta-Nehisi Coates (Capitão América) e arte de Daniel Acuña (Capitão América).

Confira também essas novidades